quinta-feira, março 01, 2007

Sessão de Fevereiro :: Alameda da Saudade, 113 :: Tela Brasilis :: Quinta 01/03 :: 18h30

Recomendamos a mostra "Olhares neo-realistas" que começa hoje na Cinemateca do MAM (Rio de Janeiro), com a exibição de Alameda da Saudade, 113 (1951, direção de Carlos Ortiz), no Cineclube Tela Brasilis. Esta é a última exibição desta cópia, que foi feita para o lançamento do filme, na década de 1950.

Diversos filmes da mostra também são raríssimos e vêm de cinematecas italianas, sendo essas suas últimas exibições no Brasil (com legendagem eletrônica em português). Destaque especial para O Posto e O Sol ainda se levantará, recém-restaurados.

A programação completa da mostra segue abaixo. O texto da sessão do Tela Brasilis segue ao final do e-mail.

abraços,
Cineclube Tela Brasilis


Cinemateca do MAM
Av. Infante D. Henrique, 85, Praia do Flamengo - Rio de Janeiro
Entrada Franca

Mostra Olhares neo-realistas
(21) 2221-8062 / 9376-9682
mostraneorealismo@gmail.com




OLHARES NEO-REALISTAS

O neo-realismo é um dos mais importantes movimentos da história do cinema, surgido na Itália, no final da segunda grande guerra, influenciou outros gêneros e cinematografias como a nouvelle vague francesa, o free cinema inglês e o cinema novo brasileiro. Preocupado em mostrar a realidade do povo, aboliu o uso de estúdios e passou a usar locações e muitas vezes atores não profissionais, contrapondo-se aos filmes escapistas realizados durante o regime fascista.

A retrospectiva, com algumas obras seminais do movimento, é parte da mostra apresentada no Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília e São Paulo, constituindo uma ótima oportunidade ao público carioca para ver ou rever filmes filiados ao neo-realismo.


qui 01
18h30 – Tela Brasilis – Alameda da Saudade 113, de Carlos Ortiz, 1951.
O Tela Brasilis faz a sua contribuição à mostra Olhares neo-realistas apresentando um raríssimo filme do que ficou conhecido como o cinema independente dos anos 50, realizando na mesma época das grandes produções da Vera Cruz e antecedente vital do Cinema Novo. O filme trata-se de uma história de amor entre os dois protagonistas, Inês e Raul, que não respeita as fronteiras entre a vida e a morte.

sex 02
18h30 – Olhares neo-realistas – Ladrões de bicicleta (Ladri di Biciclette) de Vittorio De Sica. Itália, 1948. Com Enzo Stajola, Lamberto Maggiorani, Lianella Carell. 92. Cópia em DVD.
Obra-prima do neo-realismo. Desempregado tem sua bicicleta roubada no primeiro dia de trabalho. Sem ela, perderá o emprego.

sab 03
16h – Olhares neo-realistas – O Posto (Il Posto) de Ermanno Olmi. Itália, 1961. Com Loredana Detto, Tullio Kezich, Sandro Panseri. Versão original . 90’. Cópia restaurada pela Cinemateca de Bolonha. Legendas eletrônicas em português.
Jovem morador de bairro pobre de Milão sai à procura de primeiro emprego.

18h – Olhares neo-realistas – O Sol ainda se levantará (Il sole sorge ancora) de Aldo Vergano. Itália, 1946. Com Principal Elli Parvo, Lea Padovani, Vittorio Duse. Versão original. 90’. Cópia restaurada pela Cinemateca de Bolonha. Legendas eletrônicas em português.
Conflitos entre italianos e alemães em um povoado no norte do país, em 1943, tratado sob o ponto de vista marxista. Primeiro filme a investigar a composição classista da Itália ocupada.

dom 04
16h – Olhares neo-realistas – Noites de Cabíria (Le Notti di Cabiria) de Federico Fellini. Itália, 1957. Com Giulietta Masina, François Perrier, Amedeo Nazzari. Legendas em português. 110’.
A vida e os sonhos de Cabíria, prostituta romana que é obrigada a viver na marginalidade. Oscar de melhor filme estrangeiro.

18h – Olhares neo-realistas – Morte de um ciclista (Muerte de un ciclista) de Juan Antonio Bardem. Espanha/Itália, 1955. Lucía Bosé, Alberto Closas, Bruna Corrá. Versão original. 88’. Legendas eletrônicas em português.
A conscientização de um professor universitário adúltero com o advento de uma nova geração, depois da Guerra Civil. Um dos maiores sucessos do cinema espanhol no exterior.

sex 09
18h30 – Olhares neo-realistas – A Batalha de Argel (La Battaglia del Algeri) de Gillo Pontecorvo. Itália/Argélia, 1966. Com Brahim Hadjadj, Jean Martin, Yacef Saadi. Legendas em português. 121’.
A luta dos argelinos pela independência. Leão de Ouro no Festival de Veneza.

sab 10
16h – Olhares neo-realistas – Aniki Bobó de Manoel de Oliveira. Portugal, 1942. Com Américo Botelho, Feliciano David, Manuel de Azevedo. 70’.
O título se refere a uma brincadeira de criança num bairro modesto da cidade do Porto, nesta crônica prenunciadora do neo-realismo.

18h – Olhares neo-realistas – O Teto (Il Tetto) de Vittorio de Sica. Itália, 1956. Com Giorgio Listuzzi, Gabriella Pallotta, Angelo Bigioni. Legendas em português. 91’.
No pós-guerra italiano, um jovem casal decide construir uma casa num terreno baldio da prefeitura. Para não serem expulsos, terão de erguê-la numa única noite e instalar o teto antes que amanheça.

dom 11
16h – Olhares neo-realistas – Mamma Roma (Mamma Roma) de Pier Paolo Pasolini. Itália, 1962. Com Anna Magnani, Ettore Garofofo, Franco Citti. Legendas em português. 106’.
Mulher de meia idade abandona a prostituição para vender frutas e cuidar de seu filho adolescente. Sonha para ele uma boa posição na vida, mas o rapaz está envolvido com a delinqüência juvenil.

18h – Olhares neo-realistas – O Verdugo (El Verdugo) de Luis Garcia Berlanga. Espanha/Itália, 1963. Com Nino Manfredi, Emma Penella, José Isbert. Versão original sem legendas. 87’.
O empregado de um serviço fúnebre se envolve com a filha de um verdugo. Uma das obras-primas do cinema espanhol em geral e de Berlanga em particular.


ALAMEDA DA SAUDADE 113
por Rafael de Luna


Não foi como diretor de dois longas-metragens que Carlos Ortiz entrou para a história do cinema brasileiro. Isso se deveu, provavelmente, não por uma importância menor de seu lado cineasta, e sim pelo destaque que teve sua atuação fora dos sets de filmagem.

Ao longo dos anos 1950 Ortiz colaborou na revista Fundamentos – ligada ao Partido Comunista Brasileiro –, teve participações fundamental no I Congresso Paulista do Cinema Brasileiro e no I Congresso Nacional do Cinema Brasileiro, ambos em 1952, e escreveu livros como pioneiros manuais de cinema (como Argumento cinematográfico e sua técnica, 1949) e precursores de uma história do cinema brasileiro (Romance do gato preto, 1952). Além disso, foi professor e crítico de cinema durante muitos anos. Sua produção na imprensa já foi pesquisada por Carlos Berriel no livro Carlos Ortiz e o cinema brasileiro na década de 50 (1981), onde fica claro seu papel fundamental, por exemplo, num debate de viés econômico sobre o cinema brasileiro.

Entretanto, os dois filmes dirigidos por Carlos Ortiz – Alameda da Saudade 113 (1951) e Luzes nas sombras (1953) – jamais despertaram o mesmo interesse. Nesta segunda sessão de 2007 do cineclube Tela Brasilis, tentaremos contornar um pouco esse equívoco exibindo o primeiro filme de Carlos Ortiz como nossa colaboração para a mostra “Olhares Neo-realistas” a ser exibida na Cinemateca do MAM em março.

Pode-se talvez creditar o desinteresse por Alameda da Saudade 113 pelo fato de que o filme, diferentemente de Rio 40 graus, por exemplo, não tenha representado uma concretização tão clara – e brilhante – dos anseios daqueles que desejavam aquilo que ficou conhecido como “cinema independente dos anos 50”. Apesar de contraditórias, como já apontou Maria Rita Galvão, essas idéias vinham sendo desenvolvidas ainda durante a voga do ideal de cinema da Vera Cruz, e pregava, grosso modo, um cinema realista, de qualidade técnica e “seriedade” na abordagem (diferentemente das “grossuras mal-feitas” das chanchadas), realizado fora dos estúdios e com temática nacional. É uma questão interessante pensar como Alameda da Saudade 113 se encaixa num momento inicial de gestação desses anseios, compartilhados pelo seu próprio diretor e argumentista.

O filme se inicia num cemitério na cidade de Santos, para onde ele retornará em seu final. Um forasteiro se aproxima de um coveiro e este começa a lhe contar a trágica e conhecida história de amor de Inês (Sônia Coelho) e Rui (Rubens de Queiroz), dando início ao flashback que ocupará praticamente todo o filme. Resumidamente, Rui conhece uma bela moça num baile de carnaval e se apaixona perdidamente. O casal desfruta do arrebatador romance nos dias seguintes, mas Rui percebe que algo atormenta sua amada Inês – ela nunca permite que ele o deixe em casa e a visão de qualquer criança lhe provoca tormentos. Quando finalmente Inês concorda que ele vá em sua casa (no dia de seu aniversário), Rui encontra-se com Olga, mãe de sua namorada, que lhe diz que Inês, uma sensível poetisa, morreu dez anos antes. Inconformado, Rui se junta ao seu amor no além, diante de seu sepulcro cujo endereço é justamente o título do filme.

É uma grande curiosidade o filme enveredar por um tema metafísico – o amor além da morte – com uma seriedade incomum no cinema brasileiro (o tema tem servido principalmente a comédias, do Oscarito de Fantasma por acaso, ao Renato Aragão de Simão, o fantasma trapalhão). Trata-se de uma gênero – ou “sub-gênero” – que é geralmente associado exclusivamente ao cinema americano e que no Brasil só costuma ser tratado em tom de paródia e “defeitos especiais”. Podemos sugerir descompromissadamente que o filme de Ortiz é um parente distante de filmes de amor hollywoodianos que atravessam a barreira do tempo (Em algum lugar do passado) ou não respeitam os limites da vida e da morte (Ghost e Sexto Sentido).

Como uma espécie de melodrama espírita, Alameda da saudade 113 jamais, em momento algum, desvia de seu tom de extrema seriedade ou abre concessões para o humor, diferentemente de diversos outros exemplares mais conhecidos do chamado cinema independente, como Rio 40 graus, Agulha no palheiro ou O grande momento. Nesse sentido, devido a certa morbidez e tristeza latente, o filme de Ortiz se aproxima de um melodrama da Vera Cruz como o belo Floradas na serra, por exemplo.

Por outro lado, será que se pautando por questões universais – vida, morte, amor -, Alameda da saudade 113 se afasta dos temas genuinamente nacionais e, sobretudo, populares? Se num primeiro momento das discussões que permearam os anos 1950, a preocupação se dava menos com a forma e sobretudo com conteúdos e histórias nacionais, vale ressaltar que o filme se inspirou, como anunciam os letreiros iniciais, numa famosa história da cidade de Santos – um folclore moderno ou uma lenda urbana, pode-se dizer. Nos créditos há, inclusive, um agradecimento ao “povo santista” e ao “homem de rua”. Entretanto, dentro da diegese, onde está esse homem de rua?

Na verdade, percebe-se que os personagens e cenários principais do filme pertencem ao que há de mais belo na sociedade santista. Rui e Inês são jovens, brancos e belos (cujos perfis fotogênicos são explorados pela fotografia), que freqüentam bons restaurantes e saraus de poesia. Da cidade de Santos, se destaca a orla moderna e urbanizada (num retrato parecido com o que o cinema carioca geralmente fazia de Copacabana), enquanto numa visita à São Paulo, os personagens percorrem um belo parque. É nessa visita que se dá um momento interessante, quando Rui e Inês se vêem diante de um pregador religioso cercado por populares numa praça pública (lembrando uma cena de A falecida). A câmera se detém, demorada e repetidamente, nas faces daquelas pessoas, num misto de fascínio e interesse. Entretanto, como se nota no próprio enquadramento, o casal de protagonista está no meio da roda e aquelas pessoas não fazem mais do que compor um cenário.

Esses inserts dos populares se assemelham a outros de paisagens da praia, do mar ou de barcos, que podem ser associados a uma estética antropológica-jornalística de cinejornais. A bela e acadêmica fotografia de Alameda da Saudade 113, a cargo do ucraniano George Tamarski, se destaca pelo equilíbrio da composição fotográfica de luzes e sombras. Chama a atenção, nesse sentido, a grande quantidade de cenas externas (praia, parque, cemitério), fotografadas com notável controle da luminosidade. Não espanta o nome da produtora de cinejornais Divulgação Cinematográfica Bandeirante nos créditos do filme.

Por fim, outro elemento presente é uma reiteração através de simbolismos visuais que parecem remeter a uma tradição narrativa do cinema mudo (de permanência, por exemplo, nos filmes sonoros de Adhemar Gonzaga ou Humberto Mauro), ilustrando, por exemplo, a circularidade e a duplicidade da vida (nascimento e morte) através do reflexo na mesa e no lago, ou das figuras circulares e duplas na bóia na praia ou na pista de dança e nas mesas vazias do clube. Além disso, ao longo da narrativa surgem inúmeras "pistas" para o mistério do filme, através da constante repetição de frases que apontam para a particularidade do encontro do casal (o baile no “clube dos finados e refinados”, onde “até a morte vem dançar”) e do romance (a mensagem sorteada do realejo: “achaste seu novo amor, fiel e forte como a morte”).

Por todos os motivos, além de uma raridade do cinema brasileiro, Alameda da Saudade 113 é definitivamente um filme curioso e que em seus melhores momentos consegue alcançar a melancolia de um amor impossível.

2 Comments:

Anonymous zinha de vila de cava said...

o que siguinifica url

6:01 PM  
Anonymous zinha de vila de cava said...

oi tudo bem gostaria muito de saber como um filme chamado o outro lado da meia noite muito bom por sinal nao se comenta sobre ele e um misto de suspense drama muito bom nota 10 para ele se por acaso voces acharem por favor me ensinem como baixa-lo muito obrigada pela resposta ass;zinha de vila de cava

6:11 PM  

Postar um comentário

<< Home